Análises de jogos nunca serão objetivas (Opinião)

(Imagem retirada da internet)

Por mais que as pessoas insistam, reviews de jogos tanto do público quanto da crítica especializada nunca serão totalmente objetivas. A análise em si pode até seguir uma lógica objetiva, porém, os critérios e os pesos utilizados para pontuar as virtudes e os defeitos sempre serão questionáveis e subjetivos de acordo com a forma que cada um imagina o jogo ideal do Sonic (ou de qualquer franquia analisada).

Isso explica porque os fãs do Sonic não entram em consenso sobre o quais jogos da série são bons ou injustiçados. Cada pessoa tem a sua visão do que ela gosta de consumir. Os classistas vão argumentar que os jogos do Mega Drive são os superiores e que todos os futuros jogos do Sonic deveriam seguir este modelo tanto em ambientação, quanto enredo quanto em gameplay. Já fãs do Sonic que cresceram com jogos do início da era 3D, podem se afeiçoar por jogos com ambientação mais madura e realista, maior foco em enredo, ou por jogos como Sonic Heroes. Quem teve maior contato com jogos da era boost, vai considerar melhores os jogos que mais se aproximem de títulos como Sonic Unleashed ou Sonic Generations, assim por diante.

Eu acho bem engraçado quando alguém vem com argumentos como:
"Você tem que admitir que os jogos em 3D do Sonic são ruins, independentemente de você ter se divertido com eles. Você pode gostar e se divertir com algo que é 'objetivamente' ruim e está tudo bem, mas o Sonic do Mega Drive é melhor e pronto. Você se divertir mais com os jogos 3D não faz deles melhores que os 2D porque devemos considerar critérios 'objetivos' ao afirmar que algo é bom ou ruim."
Quem definiu esses critérios? Eles são baseados no gosto subjetivo da pessoa que teima em tratar como se a preferência dela fosse a verdade absoluta e, no caso da fanbase do Sonic, é comum até caçoarem das pessoas que possuem perspectivas diferentes desta.

Sonic and the Secret Rings de Nintendo Wii, por exemplo, é um dos meus jogos favoritos do Sonic, eu já zerei ele mais de 5 vezes, inclusive recentemente, e sempre me divirto muito! Ele tem vários elementos que aprecio em jogos do Sonic: gráficos e visuais caprichados, temas de fases inéditos e criativos, trilha-sonora boa com músicas cantadas, novo vilão, fases longas e desafiadoras, etc. Além de ser um jogo que não se escora em nostalgia, procura ir além e acrescentar novidades. No entanto, ele é focado integralmente nos controles de movimento do console e, por este motivo, é odiado por uma infinidade de pessoas que clamam que o jogo é inquestionavelmente ruim. Insistem que eu deveria admitir isso, independentemente de todas as horas de diversão que tive com o título. Só porque não conseguem conceber a ideia de que uma parcela considerável do público não teve a mesma experiência negativa (o que explica ser um dos jogos mais vendidos do Sonic).

(Imagem retirada da internet)

Eu não tenho que admitir nada simplesmente porque a constatação de que Sonic and the Secret Rings é um jogo bom ou ruim não é uma verdade, tampouco um consenso. As pessoas que não gostam do jogo, em geral, não curtem que os controles dele não sejam tradicionais, no entanto, todas as virtudes que eu descrevi mais acima tem um peso imensamente maior que este detalhe para mim. Cada um tem a sua perspectiva e respeito imensamente quem não teve ou tem uma boa experiência com o título, mas a minha opinião sobre o jogo ser bom não é menos objetiva ou crítica do que a quem defende o contrário. Por mais justo e criterioso que seja cada um dos pontos de vista.

Em contrapartida, um jogo do Sonic que foi bem-aceito pela crítica e que eu não acho tão grande coisa é o Sonic Generations. Não me entendam mal, gosto e considero um jogo muito bom, mas não melhor que a maioria dos jogos 3D do Sonic e muito menos vejo como a salvação da franquia (que sequer precisava ser salva, na época). O motivo: ele possui uma história irrelevante, é totalmente escorado em nostalgia, extremamente fácil, sistema de ranking péssimo, não apresenta cenários novos, mas remakes de fases antigas em HD e eu também não acho tão atrativa a presença do Sonic clássico em um jogo do Sonic moderno mesmo comemorativo. A única coisa que fez o Sonic Generations ser relevante para mim, é que ele tem a mesma jogabilidade das Day Stages do Sonic Unleashed que eu curti muito e o level design das fases é muito bem construído. Por conta destes detalhes, prefiro Sonic Colors de Wii, lançado um ano antes. Apesar de ter um level design bem inferior com poucas sessões 3D elaboradas, Colors tem mundos completamente novos, Wisps, músicas novas, ou seja, um conjunto maior de fatores que me atraem.

Todavia, para muitas pessoas o critério da jogabilidade perfeccionista é mais importante que o de novidades, variedade de cenários, enredo, etc, etc. Inclusive, o apelo para nostalgia é encarado como virtude para muitos. E está tudo bem, são diferentes perspectivas e preferências! A questão é justamente essa: não existe análise objetiva. Toda análise é fundamentada em preferências pessoais ou idealizações e visões subjetivas do que torna um jogo melhor, ou pior. Análise de jogo é opinião e opinião não é fato.

Isso se estende para a análise de qualquer outra peça artística. O que faz uma música ser boa para mim, não necessariamente é o mesmo que para outras pessoas. A análise de um álbum musical nunca vai ser consenso entre críticos, nem entre o público. Por mais que as pessoas que estejam opinando sejam estudadas sobre o assunto. Existem gêneros musicais que nascem e são considerados lixo ou sequer vistos como cultura, mas com o passar dos anos vão ganhando reconhecimento. Aqui no Brasil temos como grande exemplo o samba, mas já está acontecendo também com o funk que vem, inclusive, ganhando projeção internacional.

O problema é que quando se trata de Sonic, há anos as análises tendem a considerar apenas uma perspectiva: os jogos são avaliados a partir do saudosismo e o quanto eles estão dentro ou não do modelo dos clássicos de Mega Drive. 99% das reviews de jogos do Sonic em 3D mencionam os clássicos em algum momento, a frase: "tal jogo não tem o brilho e a magia dos antigos de Mega Drive" é um clichê bem comum e saturado.

O mais irônico é que quando estou debatendo com alguém sobre algum jogo do Sonic que considero bom, é bem comum a pessoa me mandar um print do Metacritic como argumento contrário: "esse jogo recebeu nota amarela na época que foi lançado, logo é ruim". Na imensa maioria das vezes, a pessoa nem sequer experimentou o título.


Comentários